quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Feliz Ano Novo geeeeeeeennnnnntemmmmm

Feliz Ano Novo geeeeeeeennnnnntemmmmm

Se você pensa que sabe; que o ano novo mostre o quanto não sabe. 
Se você é muito simpático mas leva meia hora para concluir o seu pensamento; que o ano novo ensine que explica melhor o seu problema, ou conta melhor o seu caso, aquele que começa pelo fim. 
Não faça exames demais; que o ano novo ensine que doença é como esposa ciumenta: se procurar demais acaba achando. 
Se são sempre os outros que são isso e aquilo; que o ano novo ensine a olhar mais para você mesmo. 
Que o ano novo ensine que não existe ano novo para a natureza. É tudo um fluxo só. O mundo não sabe que o ano mudou. A gente é que o supõe para abastecer o farnel das esperanças combalidas. Para a natureza, o novo é cada estação, primavera, verão, outono, inverno. Aí tudo muda. O único ente da natureza que comemora o ano novo é o homem. A vida é substantiva, nós é que somos adjetivos. Já viu flor comemorando o ano novo? Então modere a sua comemoração. De qualquer maneira, feliz ano novo. 
Se você pensa que viver é horizontal, unitário, definido, monobloco; que o ano novo ensine a aceitar o conflito como condição lúcida da existência. Tanto mais lúcida quanto mais complexa. Tanto mais complexa quanto mais consciente. Tanto mais consciente quanto mais difícil. Tanto mais difícil quanto mais grandiosa. 
Felicidade é disponibilidade com paz; que o ano novo ensine a aproveitar os raros momentos em que ela surge. 
E de repente me vi sozinho, de calças compridas, buço pintado, gente mais forte, gente mais fraca, banho frio de manhã cedinho, lugar próprio a conquistar, tendo que usar a intuição, os dentes, os punhos, as palavras, o estudo, a solidão e a compreensão definida ou revoltada do que era superior a mim. Aprendi a humilhação, a inveja, a injustiça, a grossura, a evasiva, a franqueza, o castigo, o medo de Deus, que depois perdi ao encontrá-Lo, a enfrentar limpamente o chefe de disciplina, a segunda época, o poc-poc de figurinhas, o colega ladrão, o amigo mais velho, antipatias inexplicáveis, a turma, a dor de ouvido, o coração aos pulos frente àquele ser amado, a ficar sem saída, a vencer o medo da história que me contaram do menino sonâmbulo que caiu da janela. Que mão secreta me guiava? Intuição? Base moral trazida de casa, como me diziam? Consciência precoce dos significados da orfandade parcial? Compreensão? Destino? Meus Guias? Anjo da Guarda?
Que o ano novo ensine a cada menino a seguir o cristal que leva dentro, sua bússola existencial não revelada, sua percepção não verbalizável das coisas, sua capacidade de prosseguir com o que lhe é peculiar e próprio, por mais que pareçam "úteis" e "eficazes" as coisas que a ele, no fundo, não soam como tal, embora façam aparente sentido e se apresentem tão sedutoras quanto enganosas. 
Que o ano novo nos ensine, a todos, a dizer as verdades nunca na hora da raiva. Que desta aproveitemos a forma direta e simples pela qual as verdades se nos revelam por seu intermédio; mas para dizê-las depois, quando os bloqueios voltam e é mais cómodo "deixar pra lá". Que a lucidez da raiva guardada para depois, quando ganhar a dimensão da calma mas perder a energia agressiva, sirva para expressar nossas franquezas com carinho e cordialidade. 
Que o ano novo ensine que tão ou mais difícil do que ter razão, é saber tê-la. Que aquele garoto que não come, coma. Que aquele cara que mata, não mate. Que aquela timidez do pobre, passe. Que a moça esforçada se forme. Que o jovem, jovie. Que a moça, moce. Que a luz, luza. Que a paz, paze. Que o som, soe. Que o sol, sole. Que o ninho, aninhe. Que a cor, core. Que o abraço, abrace. Que o perdão, perdoe. Que a letra, letre. Que o negro, negre. Que a flor, flora. Que o coração, coraçõe. Que a reza, reze. Que a criança, criance. Que tudo vire verbo e verbe. Verde. Como a esperança. 
E se ano novo não existe, exceto na imaginação da gente e se nesta tudo é possível, então que ele sirva para transformar tudo em Verbo. Como no princípio. Pois do jeito que o mundo vai, dá vontade de apagar e começar tudo de novo.

Artur da Távola

Sendo assim, só uma coisa nos resta dizer a todos vocês que estão sempre por aqui ...


QUE O ANO NOVO...NOVEIE  PARA TODOS NÓS...RSRS...E QUE A GENTE MANTENHA NOSSO BOM HUMOR

UM ABRAÇO NA ALMA DE TODOS...

E UM FELIZ ANO NOVO... QUE DE TÃO FELIZ... "PUTAQUILAMERDEIE" NO MELHOR DOS SENTIDOS

VALEU GALERA...rsrss

FELIZ  2011

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Feliz Natal!



Neste Natal...
Pensamos em presentear os nossos amigos...
Mas não daremos coisas materiais...
Faremos diferente...
E cada amigo receberá um sentimento.
Os que andam estressados, 
nós daremos a paz!
Os que estão tristes, 
nós daremos muita alegria!
Para os que andam depressivos, 
nós daremos o conforto!
Para aqueles que se sentem solitários, 
nós daremos muito amor!
Para os que estão desacreditados, 
nós daremos a confiança!
Para os que vivem desanimados, 
nós daremos a fé!
Para todos os nossos amigos...
 Nós daremos uma dose extra de saúde, 
união e respeito!

Amigo(a),
Desejamos para você um Feliz Natal
e que Deus te ilumine!




Agradecemos a todos os participantes do Concurso. 

Vocês todos brilharam!

O resultado sairá no dia 05/01!



quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Concurso Literário: Então é Natal...


As inscrições estão abertas...

Abaixo ficará a listagem de todos os amigos que estão participando do Concurso Literário.

Mais informações é só clicar aqui.

Assim que você fizer a sua postagem, deixe um comentário para que possamos verificar e criar o seu link.

Que a boa inspiração toque em TODOS!



Que o espírito de Natal esteja presente em cada coração e que possamos ter momentos de muitas paz e muito amor!

Desde já desejamos à todos: 

Um Natal rico em muita união!





Participantes:







segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Convite para o Concurso Literário de Natal



Mais uma vez temos o prazer de convidar os nossos amigos para participar de nosso Concurso Literário. Nosso maior objetivo é a interação e levá-los a se inspirar e a expressar através das palavras o que o momento despertar em seu coração. Então em nome do Amor e da Caridade, estamos lançando o nosso

2º Concurso LiterárioTema: Então é Natal...


1. Diretrizes

1.1 - Podem participar todos os blogueiros que sejam seguidores do nosso blog.
1.2 – Só aceitaremos participantes que usarem o tema proposto como titulo de sua obra. ( Tema: Então é Natal... )
1.3 – As postagens deverão ser feitas impreterivelmente até o dia 21/12.
1.4 - O resultado sairá no dia 05/01/2011.

2. Forma de participar

2.1 – O participante deverá deixar um comentário na Postagem do Concurso no Blog Espaço Aberto, indicando que a sua postagem já foi feita a partir da postagem em nosso blog do dia 17/12.
2.2 – Automaticamente após a verificação da postagem, o participante já estará concorrendo.
2.3 - Deixaremos em nosso blog o link de todos os blogs que estarão concorrendo.

3. Das inscrições:

3.1 – Só aceitaremos uma inscrição por Blog.
3.2 – Cada participante será visitado por nossa comissão julgadora para apreciar, avaliar a sua postagem e criar o link no blog do Espaço Aberto.


4. Premiação

4.1Serão escolhidas três postagens vencedoras, sendo 1º, 2º e 3º lugar.
4.2 - A premiação consistirá:
1º Lugar: Dois livros de Poesias, sendo um deles o do Poeta Manu e Uma agenda Poética/2011
2º Lugar: Um livro de poesias do Poeta Manu  e Uma agenda Poética/2011
3º Lugar: Um livro de poesias do Poeta Manu
4.3 – Os ganhadores deverão enviar e-mail com Nome e endereço completo para que possamos remeter o prêmio para o endereço indicado.

5 – Demais Informações:

5.1 – A comissão julgadora será formada pelos administradores do blog e um convidado de cada administrador.

 5.2 – Os administradores do blog poderão participar da postagem, porém, não farão parte do concurso.

5.3 – Mais informações pelo email: umblogparatodos@yahoo.com.br

.


quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Entrevistando Eduardo Tornaghi








Mini biografia
Eduardo Tornaghi, nascido em 1951, ainda está vivo.
Família grande, merecendo o nome, "é do ar do…"
Trabalhei um pouco, fazendo muitas coisas diferentes que no fim eram a mesma busca e sonhei bastante.
Finalmente, olha que legal, cheguei aqui, em você.


1 - Uma descrição do “Papo Poético”.

Vídeos de aproximadamente 6mn lendo poesia e comentando livremente

2 - De onde surgiu a idéia de criar o “Papo Poético”? Você obteve alguma inspiração em algum outro blog para começar a publicar o seu?

É um desejo antigo. Um espaço pra falar do que amo, do que acredito importante trocar.

3 - Como foi a sua primeira postagem e o que te motiva a manter o “Papo Poético”?

A postagem vocês podem ver, começou por escrito. O motivo de manter é que sou um amador

4 - O que você dá mais importância em seu blog? E por quê?

Me divertir. Porque me divertindo, estarei concentrado e contagiando alegria. Assim tenho chance de chegar bem em você.

5 - Qual o interesse dos visitantes no “Papo Poético”? Que tipo de informação ou interação você acha que eles procuram?

Não tenho noção. Mas desconfio que se expressar seja uma necessidade básica do ser humano. E expressar-se, é pro outro, com o outro. Acredito que todos nós, poetas e pixadores e fofoqueiros e etc procuramos a mesma coisa: sentir que conseguiu conectar realmente alguém.

6 - O que você mais sente falta no Brasil e como expressa isso em seus textos ou poemas?

O Brasil, nossa obra coletiva, é uma nação muito legal. Cheia de desafios, o que garante a graça da coisa, mas persistindo em apostar mais em ser feliz que ficar rico. Como antídoto à escola formal, temos escolas de Samba e Reisados. A herança de Tia Ciata e Donga ainda vence a inveja do estilo 1˚mundo (baita conto do vigário, aliás, quem conhece sabe). Acho que expresso nos meus poemas a mim apenas. Só sabemos de nós. A sorte, é que somos iguais. Cada um do seu jeito, iguais.

7 - Como você define seu momento de criação ou de escolha caso você não escreva seus próprios textos ou poemas?

São momentos de curtição. Penso literalmente: vou curtir. Daí pego papel e caneta (sempre) e às vezes um livro ou dois ou três. E brinco. De rabiscar, de colorir, de ler, de procurar palavras ou associar versos, canto trechos do que estou lendo, desmunheco, danço… (e vou anotando)

8 - Qual a imagem que você faz das pessoas que apenas colam comentários e não interagem com o que você de fato escreveu?

Tão trancados né, coitados? E tão perdendo a melhor parte. Expressar é só meia-metade. O que a gente realmente quer, e quer porque necessita, é se comunicar. E comunicação é via de mão dupla, não adianta falar sozinho. E quem não ouve, fica falando sozinho. Aí, com o perdão da má palavra, é punheta. Pode até dar algum prazer, mas orgasmo é outra coisa. Sem o outro, não há.

9 - Porque você batizou o seu blog com este nome?
Impulso
10 - Se puder e quiser, fale um pouco de você e de seu trabalho.

Meu trabalho fala tudo de mim

11 - Você acha que a visitação/repercussão do “Papo Poético” está boa?Era isso que você esperava?

Não tinha idéia do que esperar. Também não tenho idéia do tamanho das coisas por aqui. Estou aprendendo, mas percebo que tem crescido.


12 - Sobre o layout das suas postagens (imagens), como você definiria seu estilo?

O nome do estilo é: "O que pude arrumar". Contando com minha ignorância e a boa vontade de muitos amigos vai entrando um trato aqui, um vídeo acolá…

13 - O que te chamou mais a atenção na blogosfera?

A imensa variedade

 14 - O que faz você pensar em desistir de continuar com o “Papo Poético”? Algo assim que te aborreça e que gostaria que fosse diferente...


Nem imagino


15 - Como faz para escolher o titulo de seus poemas ou textos?

Ralo. Considero o nome, a identidade, de importância cósmica. Um símbolo poderosíssimo no mundo simbólico que é a Poesia. Pra mim não é fácil. Preciso brincar muito com o poema digo-o zilhões de vezes, sempre me perguntando seu nome. Como fiz com minhas filhas. Ambas nasceram neném. Minha mulher e eu ficávamos namorando o neném e nos perguntando como seria o nome delas. Confesso que a exigência legal de 15 dias, pra mim foi muito curta. Como, no caso do poema o nome pode mudar, já mudei o nome até depois de publicação.

16 - Você poderia afirmar que a música influi diretamente em sua forma de escrever? Caso sim... explique como se dá este processo.


Não

17 - Quanto aos comentários e visitas, qual o nível de importância eles tem para você no sentido de dar continuidade ao “Papo Poético”?
 

Para a continuidade, nenhuma, que eu faço porque preciso. Já pro entusiasmo… Mas é isso né? A gente fala porque quer ser ouvido, pra ser ouvido à gente tem que ouvir o como estão nos ouvindo. Acredito que essa é a luta de todos nós, sabendo ou não.


18 - A que ponto o “Papo Poético” interfere na sua vida pessoal? - Ou o contrário... rs...

 Minha vida é uma só, embora eu, seja 300, seja 350.

19 - Aqui o Espaço agora fica Aberto para que você possa deixar o seu recado... Obrigado por sua participação.

Chamo o que faço de "pelada poética", porque acredito na alegria e na liberdade do campo de pelada como instrumento de aprendizado e criação. Taí o nosso futebol que não nos deixa mentir. Portanto, se posso deixar um recado, eu diria DIVIRTAM-SE.
No mais, obrigado por terem querido me ouvir


20 – O nosso recado para o Amigo Eduardo Tornaghi

Agradecemos a sua presença em nosso Espaço Aberto!
Que a poesia continue tocando o seu coração para que possas nos trazer tantas riquezas quanto as que nós encontramos em seu blog.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails